Central de Adubos

Revisão e calibragem formam regra de ouro da tecnologia de aplicação

Não há como contestar: para assegurar a eficiência na aplicação de defensivos é necessário manter a revisão e a calibragem dos equipamentos em dia. A dica foi repassada pelo especialista em tecnologia de aplicação, Júnior Gouveia, durante o episódio mais recente do podcast “Da Central para o Campo” (assista em  https://www.youtube.com/@CentraldeAdubosOficial).

“Manter o pulverizador regulado determina 50% do seu sucesso com a pulverização. Eliminar vazamentos e manter os componentes dos pulverizadores sempre em boas condições. É ideal ter um checklist de pulverização. Ou seja, ter os itens sendo checados diariamente ou sempre que for ser usado o pulverizador. Ser observado o comando dele, o manômetro, como está a condição das mangueiras, os bicos, os mangotes de ventilação, as turbinas. Enfim, observar como estão todos os pontos dos pulverizadores dá a segurança de que a regulagem, feita anteriormente, está se mantendo, pelo menos, dentro do padrão de regulagem para os próximos ciclos que você vai aplicar”, destacou.

O cuidado com os bicos pulverizadores também requer atenção redobrada, principalmente, no acompanhamento das vazões. “Todo bico de pulverização tem, para cada pressão, uma determinada vazão. E quando você dimensiona isso em campo, o ideal é que possa acompanhar, pelo menos, semanalmente, se aquela pressão ainda está pulverizando, se está emitindo para aquele bico, aquela vazão. Porque o bico, com o tempo e com o uso, vai se desgastando. Quando ele se desgasta, o orifício de saída do bico fica mais aberto e você tem uma vazão maior e gasta mais sem necessidade. Por isso, seria ideal que o produtor entendesse para nunca deixar essa vazão ultrapassar os 10% do que o catálogo do bico fornece”, aconselhou.

E tal descuido pode ter consequências. “Por exemplo, sendo uma pressão de 10 bar, de um bico MGA da Magnojet, 015, que é o bico verdinho, para uma pressão de 10 bar teria uma vazão de 1,050 l/minuto. Quando esse bico é usado e vai ficando gasto, os mesmos 10 bar de pressão que você colocou vai pulverizar 1,200 l/minutos. Isso é desperdício de produto. E se for em uma uva, corre o risco de gerar uma mancha no cacho porque a vazão está maior, pode ser um dano causado por produto na planta”. Ainda de acordo com Gouveia, para evitar isso o produtor precisa investir na calibragem dos equipamentos. “É preciso calibrar. É preciso, como diz a história, do auxílio do profissional. Eu me coloco à disposição. E vocês podem ter certeza de que esses ajustes trazem resultados sim. Não adianta posicionar o produto e não fazer ele atingir o alvo de forma correta e não conseguir controlar o que está lhe causando perda econômica. Ainda é necessário manter os tratos culturais em dias, as áreas limpas, eliminar fontes de inóculos. Parece simples, mas não é. Porém, você consegue passar pelo período chuvoso com menores perdas”.

QUEM LEU ESSA NOTÍCIA, TAMBÉM LEU ESTAS: