Central de Adubos

Pesquisadores tentam adaptar o tomate à seca

Pesquisadores do Boyce Thompson Institute (BTI) e da Cornell University concluíram o primeiro estudo para fornecer uma imagem abrangente das mudanças na expressão gênica, em resposta ao estresse hídrico no tomate, identificando genes que poderiam ajudar os criadores a desenvolver frutas (incluindo uvas, maçãs e frutas carnudas em geral) que podem lidar com as condições de seca.

Postado na edição de dezembro, da Fisiologia Vegetal, o trabalho foi liderado pela equipe de pesquisa da Carmen Catalá, professora-assistente da BTI e pesquisadora associada sênior da Escola de Ciências Integrativas de Plantas (SIPS), em Cornell. Os pesquisadores colaboradores incluem Jocelyn Rose, professora da SIPS, e os professores da BTI Jim Giovannoni, Zhangjun Fei e Lukas Mueller, que também são professores-adjuntos da SIPS. O primeiro autor é Philippe Nicolas, pesquisador de pós-doutorado no laboratório de Catalá.

 “Identificamos uma série de genes que estão envolvidos na resposta ao estresse hídrico no fruto do tomate”, disse Catalá. “Agora, podemos começar a selecionar genes candidatos que podem ajudar os criadores a desenvolver frutas que se adaptam às condições de seca, e não apenas tomates, mas, também, uvas, maçãs e frutas carnudas em geral. Essa é uma aplicação potencial de longo prazo desses dados”, continuou Catalá.

Os pesquisadores observaram a expressão gênica em folhas de tomate e seis órgãos do fruto (pericarpo, placenta, septo, columela, geleia e sementes) em dois momentos diferentes (crescimento e frutos maduros) e sob quatro diferentes condições de estresse hídrico (nenhum, leve, intermediário e forte). “Menos de 1% dos genes expressos que foram afetados pelo estresse hídrico foram compartilhados entre os seis tecidos da fruta e mais de 50% dos genes afetados foram específicos de um único tecido”, disse Catalá.

Nicolás afirma que foram identificados vários genes, cuja expressão, é induzida pelo estresse hídrico em sementes maduras, o que pode desempenhar um papel importante em conferir tolerância ao estresse hídrico para a próxima geração de plantas. O estudo foi desafiador em alguns aspectos porque os pesquisadores estavam analisando frutas. A maioria dos estudos de respostas de plantas ao estresse hídrico, examina as raízes e folhas de mudas porque são relativamente fáceis de estudar.

QUEM LEU ESSA NOTÍCIA, TAMBÉM LEU ESTAS: