Central de Adubos

Booster Pro: Mais crocância e menos degrane da uva 

Presente no mercado há 15 anos, o Booster da Agrichem passou por uma reformulação e ampliou sua eficácia na produção de uvas. Testado pelo renomado consultor da viticultura, Newton Matsumoto, o Booster Pro é um produto à base da alga marinha Ecklona Maxima, produzida no sudoeste da África.  Após a observação desse vegetal, os pesquisadores identificaram que ela possui uma taxa de crescimento muito acelerada (2,7 cm por hora em uma condição ideal), por ação da auxina,  hormônio vegetal fundamental para o desenvolvimento do caule, raízes e frutos da planta.

Na edição desse sábado (13) do podcast Da Central para o Campo, o representante de Desenvolvimento de Mercado da Agrichem, Rafael Mendes, destacou que a nova forma de extração dos compostos da Ecklona Maxima asseguram o reforço na fórmula. O método, patenteado pela multinacional, proporciona maiores concentrações de auxina, reforçando a produtividade e tempo de prateleira dos frutos.

O produto mantém o estímulo ao desenvolvimento do sistema radicular vigoroso, acrescido do reforço do pincel, que passa de 12mm para até 19mm, evitando a degrane das bagas. “Ele liga a baga ao pedúnculo, que liga ao cacho. Em muitas variedades, há problemas de degrane na colheita. Você vai embalar e ficam aquelas bagas soltas no contentor ou na cumbuca. A campeã é a Cotton Candy, mas variedades como a Arra15, a própria Vitória e a Melodia são tipos em que temos problemas de degrane, com maior ou menor intensidade. Então, começamos a montar ensaios e fazer testes no sentido de reduzir o degrane e os resultados foram muito interessantes, porque reduziu bastante””, revelou Newton Matsumotto.

O consultor ainda relatou que, nas variedades como a Cotton Candy, em que havia 8% a 10% de degrane, houve a redução para 2% ou 3%, que é uma quantidade normal em qualquer variedade.

Outra vantagem registrada foi o aumento da crocância da baga. Nos experimentos feitos por Matsumoto, foi comprovado que o Booster Pro aumenta a firmeza da baga, o que melhora a qualidade da fruta. “No caso da uva, o mercado valoriza muito quando você morde a baga e ela estrala, fica crocante. Porque a crocância dá ao consumidor a sensação de frescor. Quando você morde uma baga e ela está meio murcha, dá uma sensação de que a fruta está velha”, compartilhou. Ainda de acordo com Rafael Mendes, essas características atribuídas ao fruto são indícios robustos do aumento do tempo de prateleira. “Quando a gente tem essa possibilidade de melhorar a crocância da baga, que está diretamente ligada a auxina e aos três elementos -cálcio, magnésio e boro-, é esperado que haja um melhor pós-colheita. Quando se tratam desses três elementos isolados, juntos com uma fonte de auxina, a tendências é que o fruto fique mais viável por mais tempo”, complementou.

QUEM LEU ESSA NOTÍCIA, TAMBÉM LEU ESTAS: